sábado, 3 de março de 2012

Homilia do Dia

http://4.bp.blogspot.com/_uxM1cPBaiOc/Sz46fgXpZ4I/AAAAAAAAAGk/yBt_qkMLu7E/S1600-R/Untitled-1.jpg

Como eu trato as pessoas com as quais convivo?

Postado por: homilia


Segundo o evangelista Mateus, é importante a consciência de que “a ira do homem não realiza a justiça de Deus” (Tg 1,20) e que é pela prática da justiça divina que a sua vida é restaurada sobre a terra. Isto é tão fundamental que se torna imprescindível na vida existencial do homem e extensivo a todas as outras práticas, no seu dia a dia, para tornar possível a convivência dos homens entre si e entre o meio ambiente.
“Ouvistes o que foi dito…”, “Eu, porém, vos digo…”. Jesus não pretende “reformar” a complexa doutrina do Judaísmo. Ele veio nos ensinar a viver em plenitude a Lei de Deus e nos adverte que a nossa justiça deve ser maior do que a dos mestres e dos fariseus que viviam na rigidez da Lei, mas se esqueciam de que o maior mandamento do Senhor era justamente o amor; também se esqueceram de que, mais importante que a Lei em si, é o bom relacionamento entre as pessoas.
Muitas vezes, nós também, como os escribas e fariseus, nos apegamos ao que a Lei nos exorta: “não fazer”. Ficamos, então, alerta para não cometer as faltas mais graves como matar, roubar, adulterar, ter maus pensamentos, etc. “Todo aquele que se encoleriza com o seu irmão será réu de juízo.”
O desejo primeiro de Deus, ao criar os seres humanos, é que estes vivam na mais perfeita comunhão, deixando de lado tudo quanto possa dividi-los e separá-los pelo muro da inimizade. O ódio e a divisão constituem flagrante desrespeito à vontade divina.
O homicídio é uma forma incontestável de ruptura com o próximo, culminando com a sua eliminação. Para evitar isso, Deus condenou, definitivamente, esse crime com o mandamento: “Não matarás”.
Todavia, a eliminação física do próximo é antecedida por outros gestos de eliminação de igual gravidade. Por exemplo, a simples irritação contra os outros e as palavras ofensivas contra eles são formas sutis de atentar contra a vida alheia. O discípulo do Reino não pode agir desta maneira.
A Palavra de Deus – que Jesus veio esclarecer para nós – vai além das coisas que praticamos, mas atinge também o que nós pensamos, falamos ou expressamos a partir do nosso coração. Assim sendo, não podemos chamar os nossos irmãos e irmãs de “tolos” nem mesmo de ”idiotas”.
Quanto ensinamento para nós!
A oferta que fazemos ao Senhor será desnecessária se, primeiro, não oferecermos a nossa compreensão e perdão às pessoas com as quais nos relacionamos. Enquanto caminhamos, aproveitemos o conselho do Mestre para que a nossa justiça seja maior do que a justiça dos “mestres da Lei” e dos “fariseus” de hoje.
Como é a nossa justiça? O que é justo para Deus? A justiça de Deus é o amor, o perdão e a reconciliação. Mas e a nossa? Fazemos as nossas ofertas no altar do Senhor, mas como está o nosso coração? Reflita agora: “Como eu trato as pessoas com as quais convivo?”.
Você tem o costume de “falar mal” dos outros e faz isso “de coração”? Já pensou que, quando você faz a oferta do seu coração, na hora da Santa Missa, ele pode estar sujo pela falta de perdão, da ofensa feita, do ódio por alguém?
A reverência a Deus passa pelo respeito ao próximo.
Na liturgia de hoje, Jesus exige de mim e de você – como Seus discípulos – a reconciliação com o próximo antes de fazer a próxima oferenda a Deus. Se alguém está para fazer sua oferta, mas se recorda de algum desentendimento com o próximo, deverá deixá-la aos pés do altar e reconciliar-se, antes, com o Senhor. Caso contrário, a oferta não terá valor perante Deus.
O Senhor vem nos revelar que qualquer doutrina ou lei só tem valor à medida que contribui para a libertação e a promoção da vida. Jesus não propõe uma doutrina, mas ensina a prática restauradora da vida. A grande novidade que Ele nos ensina, hoje, é o perdão sem limites e a reconciliação, pois são estes que nos levam à comunhão de vida com Deus e com os irmãos.
Por isso, quero, Senhor Jesus, que me ensine a perdoar meus irmãos e irmãs para, assim, estar em comunhão com o Seu Sacratíssimo Coração e com o coração do meu próximo.
Padre Bantu Mendonça


Papa encerra retiro espiritual com profundo agradecimento a Deus

Após retiro espiritual, o Papa Bento XVI retorna com suas agenda habitual a partir do dia 4 de março
O Papa Bento XVI participou na manhã deste sábado, 3, da última meditação dos exercícios espirituais da Quaresma, que se realizaram ao longo de toda a semana. Ao final deste retiro quaresmal, o Papa dirigiu algumas palavras de agradecimento ao Cardeal congolês Laurent Monsengwo Pasinya, que este ano foi o autor das meditações, que tiveram como tema a comunhão com Deus.

Confira em breve a íntegra da mensagem do Papa ao Cardeal Laurent Monsengwo Pasinya

"Obrigado, Eminência, em nome de todos, pela guia que nos doou nesses Exercícios Espirituais. O senhor nos guiou, como dizer, no grande jardim da Primeira Carta de S. João e assim em toda a Escritura, com grande competência exegética e com experiência espiritual e pastoral. Guiou sempre com o olhar dirigido a Deus, e justamente com este olhar a Deus, aprendemos o amor, a fé que cria comunhão. E o senhor temperou essas suas meditações com belas histórias, principalmente de sua querida terra africana, que nos deram alegria e nos ajudaram".

Bento XVI disse que ficou particularmente impressionado com a história que o Cardeal contou de um amigo seu, que, em coma, tinha a impressão de estar num túnel escuro, mas no final via um pouco de luz e, sobretudo, ouvia uma bela música.

"Parece-me que esta possa ser uma parábola da nossa vida: muitas vezes nos encontramos num túnel escuro em plena noite, mas pela fé, no final, vemos luz e ouvimos um bela música, percebemos a beleza de Deus, do céu e da terra, de Deus criador e da criatura, e assim nossa salvação é objeto de esperança (cfr Rm 8,24)”.

Além das palavras pronunciadas de maneira improvisada, Bento XVI entregou uma carta de agradecimento ao Arcebispo de Kinshasa. Em um dos trechos da mensagem, o Papa destacou que as reflexões permitiram um profundo reconhecimento por Deus.

"Comentando alguns trechos da Primeira Carta de S. João, o senhor nos guiou num itinerário de redescobrimento do mistério de comunhão em que fomos inseridos a partir do nosso Batismo. Graças a este percurso, o silêncio e a oração desses dias, de modo especial a adoração eucarística, foram repletos de profundo reconhecimento por Deus, pelo “grande amor” (1 Jo 3,1) que nos deu e com o qual nos uniu a Si numa relação filial, que constitui a nossa mais profunda realidade".
A partir deste domingo, 4, com o a oração mariana do Angelus, o Papa retoma sua habitual agenda de encontros e audiências. (BF)

Nenhum comentário:

Postar um comentário